O dia-a-dia de um magistrado

CAPÍTULO V 

Estou encerrando a semana como comecei – sem realizar audiências. Apesar da não realização de audiências, despachei vários processos e prestei informações em face de três habeas corpus.

Hoje, a exemplo dos dias anteriores, nenhum audiência foi realizada. Agora, além das dificuldades decorrentes da falta de oficial de justiça, tem-se a greve da polícia civil.
Do Tribunal e da Corregedoria tenho recebido a mesma resposta, ou seja, o silêncio. É triste, muito triste, ver que a Justiça não funciona. Até quando esse quadro vai permanecer não sei.
No último ofício que mandei ao Corregedor, lamentando a situação da sétima vara criminal, disse a ele que o povo tem razão quando argumenta que nós não merecemos o que ganhamos.
No último ofício em que prestei informações em face de habeas corpus, fiz ver à relatora que o povo já começa a fazer justiça com as próprias mãos, por não mais acreditar em nossas instituições. E é a mais cristalina verdade. Há vários episódios em que a própria população prende o assaltante e ainda tenta linchá-lo. Somos todos culpados por este estado de coisas. O Poder Judiciário, verdadeiramente, é uma quimera.
Triste dos que precisam do nosso Poder!
Muitos são os que lutam para fazer justiça. Esses, nada obstante, são sempre mal intepretados.
Resta a nós clamarmos aos céus. Dos homens quase nada mais se pode esperar.
Quem faz a afirmação supra é quem lida com o Poder Judiciário, Polícia e Ministério Público há quase trinta anos.
Estou cada dia descrente dos homens. Os homens públicos, em nosso país e, particularmente, em nosso Estado, só defendem os seus próprios interesses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *