Na vida estamos, quase sempre, em conflito com as nossas escolhas.  É o prêço que pagamos por sermos racionais.

Muitas vezes, premidos pelos circunstancias, diante de duas escolhas morais,  optamos, pelo mais diversos motivos, pela menos recomendável.

Disso decorre que, pelo erro, pela escolha equivocada, pagamos um preço, que, dependendo do gravame, pode nos afligir pelo resto das nossas vidas.
Eu, tu, ele, nós, todos nós, enfim, em determinados momentos da vida, fizemos  – ou melhor, fazemos – escolhas morais equivocadas. E todos nós, por fazê-lo, pagamos o preço correspondente, que, quase  sempre, é proporcional às suas consequências.
Quero dizer, com essas reflexões, que uma pessoa moral  deve saber escolher -ou, pelo menos,  tentar – dentre as opções morais, a mais recomendável, a mais consentânea, a menos gravosa, a que menos agredida. Quando não somos capazes, sejam quais forem as circunstâncias,  de fazer a melhor escolha, pagamos o preço do erro cometido.
Ser uma pessoa moral, portanto, significa não fazer escolhas por impulso, saber controlar os desejos, as forças internas, usar a razão, decidir à luz de um conjunto de regras, de imperativos (morais), o que, nada obstante, nem sempre é possível, daí ser prudente que, diante de um erro,  tenhamos o necessáirio equilíbrio para avaliar se, nas mesmas circunstancias, não agiríamos da mesma forma.
Devo admitir, cá  do meu canto, que, muitas vezes, tenho optado – como todos o fazemos, afinal – por escolher, dentre as opções possíveis, o pior caminho, a menos desejável, por absoluta falta de capacidade, nalgumas circunstâncias, de fazer a melhor, a mais razoável, a menos deletéria dentre as escolhas que poderia fazer, disso inferindo que, diante das escolhas morais, somos rigorosamente iguais.

One Response to

  1. MARIA DO CARMO SOUZA disse:

    Uma reflexão que nos leva a pensar, qual é a melhor escolha, se é para nós vivenciarmos o que optamos, mesmo consciente que existe um preço a pagar, mas mesmo assim querendo pagar esse preço por que vale a pena e a expectativa que no final se tem um regozijo, ou porque a mal escolha é desagradável ao olhos de muitos, que criticam, apontam e se recusam a aceitar a escolha que fazemos, por não ser a que atende aos padrões sociais impostos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *